sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Combinato nº247

Farfalhou as folhas de papel almaço a procura de alguma inspiração mas nada encontrou apesar da poeira acumulada na ponta dos dedos. Marrom. Sentava na cadeira entediado, à procura de uma inspiração, precisava escrever algo, duas linhas que fossem! Mirava nas páginas percorrendo linhas-letras e tinta mas parecia que, na verdade, estava a olhar para a lente do próprio óculos, sem nada ver a frente. Se divertia com o reflexo disforme no vidrinho. Farfalhou as folhas de poeira entediado à procura de uma inspiração. Verde, que fosse uma inspiração verde. Entediava a cadeira, à procura de uma inspiração, precisava de duas linhas, que fosse! Mirava nas linhas-letras percorrendo páginas e tinta mas parecia que, na verdade, estava a olhar a frente da própria lente. Se divertia com o reflexo. Procurou uma inspiração farfalhada em meio às folhas de papel almaço, mas encontrou cinzas. Poeira. À procura de uma inspiração, entediado para escrever algo, duas linhas que fossem! As linhas-letras miravam nas páginas de tinta mas, na verdade, parecia que olhavam para elas mesmas, percorrendo umas-às-outras, sem ver nada a frente. Se divertiam com seus reflexos disformes. As folhas farfalharam procurando algum dedo, mas só encontraram poeira. O dedo estava disfarçado, escondido: não o perceberam. Marrom e cor-de-pele. As folhas precisavam de duas linhas para preenchê-las, que fosse! Miravam a tinta e pensavam em linhas-letras percorrendo a pauta, como se fizessem algum sentido, mas, na verdade, se faziam sem nada ver a frente. À procura de uma inspiração, se divertiam.

1 comentários:

beto,,, disse...

nossa, achei tão bonito. e ótimo!