terça-feira, 20 de janeiro de 2009

O ser e o não-ser

A senhora virou para o senhor calado e disse:
-Venha cá, se aproxime.
E ele se aproximou com algo nas mãos. Estavam na pia da cozinha, isso, sem romantismo algum. E foi quando, numa brevidade alucinógena do impulso impensado que ela disse:
-Vamos, coloque o seu ser aqui dentro. Aqui dentro do liqüidificador.


Mas a questão que mais importa é (e que poderia até mesmo ser uma moral dessa história): ela ligou ou não ligou o liqüidificador?

2 comentários:

Lyanna Carvalho disse...

Considerando que é uma fábula, o início e seu desenrolar partem do pressuposto de algo cotidiano, como uma colheita de uvas ou uma aposta de corrida. Esse cotidiano, na sua fábula, é uma relação de poder. Posto isso, muito mais pertinente do que o ligar ou o desligar do liquidificar é perguntar-se o porquê de a mulher fazer tal pedido – ou impor tal ordem. Se ela fará uso do poder de ligar o liquidificador, simplesmente incorremos no lugares-comuns maldade-humana, uso-de-poder-quando-se-o-tem, etc. Não penso, contudo, ser tão simples o propósito do seu texto (porém, fica a dica da maldade humana, com frequência esquecida ou relevada, para o velho). Temos essas considerações, exceto que tal ordem seja parte de uma vingança, da qual não temos indício no texto e a qual, como bons liberais, deixaremos na mão do Estado, já que fazer justiça não deve ficar à mercê da iniciativa privada, por questão de interesses outros quase sempre envolvidos em tal empreitada.)
Se a velha, porém, não tem a intenção de ligar o liquidificador, não faz a menor diferença ter ou não colocado um ser ali dentro, já que o poder só existe quando exercido, lembrando-se de que tortura psicológica também é exercício de poder.

Resumindo: se a velha não é uma víbora que faria um bem ao mundo em morrer, por que a ordem?

E "impulso impensado" não é redundante?

Cazarim de Beauvoir disse...

é, o poder só existe quando exercido, mas poder apertar ou poder não apertar são ambas opções de tomadas de poder, e acho que a pergunta do final do texto é muito intrigante.

anyway, boa leitura do texto. não tinha pensado em nenhuma dessas coisas.