segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

"- E assim acabou - disse. E viu que nos olhos dele se apagava o interesse pela história, enquanto outra coisa tomava seu lugar: algo pálido e indagador, como o reflexo de uma luz, o fez olhar, maravilhado, diretamente à sua frente. Voltando-se, ela percebeu que do outro lado da baía chegavam regularmente, por sobre as ondas, primeiro dois rápidos feixes de luz, e depois outro, longo e firme. Sem dúvida, era a luz do Farol, que tinha acendido.
Dali a um instante, ele lhe perguntaria: 'Nós iremos ao Farol?' E ela teria de responder: 'Não, amahã não. Seu pai disse que não." Felizmente, Mildred veio buscar as crianças, e o alvoroço os distraiu. Mas ele continuou a olhar pra trás, por cima do ombro, enquanto Mildred o levava. E a Sra.Ramsey tinha certeza de que o menino estava pensando: nós não iremos ao Farol amanha, e imaginou que ele se lembraria disso por toda a vida."

Rumo ao Farol, Virginia Woolf.

1 comentários:

Cazarim de Beauvoir disse...

eu só fico querendo saber quem foi que NÃO se equivocou...